quinta-feira, 24 de abril de 2008

Cecília Borges Buffet

Cecília Borges, uma apaixonada por gastronomia e pela arte de receber, completa 20 anos de uma bem-sucedida carreira à frente do Buffet Cecília Borges – Culinária com Arte.

A exclusividade e o capricho nos mínimos detalhes são assinaturas do seu trabalho, no qual faz questão de cuidar pessoalmente desde a escolha das flores às louças, cores e até mesmo da seleção musical. Aí está seu diferencial: ela é completa.

Seu jeito para pilotar fogões e inventar delícias na cozinha vem da família materna. A avó Alda Séve, outra figura emblemática da sociedade, era uma pessoa criativa e sempre em busca de novidades. Um conselho que a neta nunca esqueceu: “Minha filha, se você souber cozinhar bem, se dará bem em qualquer lugar do mundo e em qualquer regime!”.
A história profissional de Cecilia começa quando ainda cursava a faculdade de hotelaria. Ela e sua mãe Lucília formaram uma dupla pioneira na criação da primeira empresa de comida congelada do Rio de Janeiro, a Coma Pronto. A crescente demanda na época pela praticidade dos congelados aliada ao sabor da comidinha caseira fez do negócio um sucesso.

“Foram oito anos de Coma pronto. Esta foi minha grande escola. Ficava numa casa no terreno da casa dos meus pais, na Gávea. Era a verdadeira Comfort Food, totalmente caseira. Isto, trago sempre comigo: comida com muito sabor, comida com gosto de feito em casa”, diz.

Depois desta experiência, ela quis ir ainda mais a fundo no mundo da gastronomia. Foi quando embarcou para Paris. Lá foi parar em uma charmosa peniche, aqueles barcos (tipo casa) às margens do Sena, onde funcionava um restaurante.

A dona, uma francesa que amava receber com requinte, precisava de uma pessoa para lhe auxiliar. Cecilia foi contratada. Passou a participar de todo o processo operacional, desde a compra dos ingredientes ao serviço. Com o dinheiro que recebia no trabalho, freqüentou aulas no Cordon Bleu, mas até hoje garante que aprendeu mesmo colocando a mão na massa.

Foram dois anos na capital francesa que lhe renderam o encontro com a efervescente nouvelle cuisine e a experiência que Cecilia tanto buscava.

De volta ao Rio, um desafio. Cecilia assumiu um restaurante que estava indo mal, quase fechando as portas, o Clube 1 (atual endereço da Osteria Del Angolo, em Ipanema). A jornada de 14 horas de trabalho diário, sem feriados e finais de semana, valeu a pena. Em menos de um ano, a casa que era deserta tinha fila de clientes. Sua missão estava cumprida.

Dois anos depois, afastou-se do Clube 1 e começou a fazer almoços e jantares para grupos de amigos, que a indicavam para outros amigos. O boca a boca foi aumentando e quando se deu conta, Cecilia já tinha um belo portfólio. Estava criado o buffet Cecilia Borges.

Com tantos anos de carreira, a banqueteira Cecília já produziu todo tipo de festa. Para ela não faz diferença o tamanho do evento. Gosta de citar alguns exemplos que mostram esta versatilidade, como um simples jantar que fez para um casal e que foi transformado, da comida ao ambiente, em cenário havaiano e uma mega festa para mil convidados, onde criou variados ambientes, cada um com cardápio diferente.

3 comentários:

Camille disse...

Parabens Cecilia.
Beijos,
Pauline von Brusky

Juninho ... disse...

Agora sei que é famosa ...

=P

Beijos do seu professor de Power Plate ...

Marcelo Teixeira disse...

Estou Amando fazer parte desta equipe maravilhosa obrigado pela oportunidade .